Os diferentes perfis dos colaboradores e o impacto na produtividade

Atualmente, com a grande concorrência no mercado corporativo, antes de contratar um profissional para integrar a sua equipe, as empresas devem seguir alguns critérios para que a contratação não se transforme em uma soma de equívocos que poderão acarretar em prejuízos.

É fundamental ter o entendimento que profissionais com um perfil inadequado ao ambiente e necessidades da empresa, ao invés de contribuir acabam atrapalhando, diminuindo a produtividade e prejudicando a equipe. Com base nisso, listamos alguns dos perfis profissionais existentes no mercado e como os gestores podem agir conforme cada perfil:

Competente, mas acomodado

Geralmente, essa pessoa tem anos de casa, é competente na execução das suas atividades, mas dificilmente sugere ideias novas. Além disso, este tipo tende a ser resistente à mudança e não procura se atualizar. Para o líder, este tipo de profissional não chega a ser um problema, dependendo da função que exerce na empresa. É possível reverter este quadro oferecendo benefícios, como bolsas de estudo, cursos e palestras, que também podem incentivar o colaborador a sair de sua zona de conforto e buscar alternativas para se profissionalizar e melhorar seus resultados.

Profissional infeliz

Esse é o mais problemático para a organização, pois a falta de motivação pode prejudicar o desempenho do colaborador e até contaminar os colegas. Dar broncas ou ameaçar não é o melhor caminho, ao contrário, pode piorar ainda mais o quadro de insatisfação. A dica é chamar este profissional para uma conversa e perguntar com franqueza os motivos de estar infeliz e como a empresa poderia ajudá-lo a resolver esse problema.

Pró-ativo e entusiasmado

Essas características são bem vistas, mas o exagero por parte do profissional pode torná-lo inconveniente. Há ainda situações em que a pessoa sempre sugere ideias novas, mas quase nunca elas são pertinentes. Diante disso, o líder deve fazer com que o funcionário entenda que, antes de sugerir algo, é necessário avaliar se existe a possibilidade da ideia tornar-se concreta e ser desenvolvida.

Pró-ativo motivado, com bom senso

Neste caso, o desafio do gestor é reter o profissional para que ele se mantenha na empresa, lembrando que as pessoas que tem este perfil são disputadas por empresas concorrentes. O líder deve reter esta pessoa por meio de promoção, aumento de salário e bônus, além de lhe atribuir responsabilidades e recompensa pelos resultados. É fundamental que o colaborador se sinta valorizado pela empresa, para que possa desempenhar suas atividades explorando todo seu potencial.

Ambicioso

O colaborador que deseja crescer na empresa e, para isso, tenta melhorar seus resultados, é benéfico para a empresa. Porém, aqueles que usam de métodos pouco éticos para escalar posições mais altas na hierarquia são perigosos e devem ser reprimidos.

 

Para saber o perfil de uma pessoa, antes mesmo de contratá-la, existem diversos modos, sendo um deles já mesmo na hora da entrevista, utilizando perguntas específicas em relação ao trabalho ou até mesmo com avaliações psicológicas durante o treinamento, por exemplo.

A avaliação psicológica é um procedimento que visa avaliar, no sentido de analisar, compreender, esclarecer a dinâmica dos processos psicológicos representativos de um indivíduo. O objetivo maior é o de conhecer o potencial de cada pessoa, suas competências individuais e, para isso, o teste psicológico ainda é o melhor instrumento de que se dispõe, pois, além de resultar em dados confiáveis, já que suas características psicométricas são comprovadas cientificamente, ele permite que o psicólogo tenha uma visão total da pessoa, que consiga definir quais são as suas competências ou características mais vantajosas e quais aquelas em que precisaria investir um pouco mais.

Num processo de seleção, tais informações permitem ao psicólogo indicar com maior segurança pessoas para cargos específicos e orientar as lideranças sobre como lidar com seus colaboradores e no que efetivamente investir para obter maior desenvolvimento e melhores resultados. Da mesma forma, em treinamento e desenvolvimento, uma avaliação psicológica traz subsídios suficientes para que um programa seja encaminhado considerando as especificidades individuais e grupais, podendo até com isso gerar um redirecionamento das estratégias adotadas.

Realizando este tipo de teste e avaliação é possível saber qual profissional mais se adapta à sua empresa. Em tempos de crise essa é a principal meta das empresas, encontrar profissionais que realmente estejam engajados com o trabalho, que possam apresentar resultados em curto prazo e que sejam um diferencial dentro do ambiente corporativo. Porém, muitas vezes, conseguir um profissional com esses requisitos é difícil.

O colaborador que não está motivado, acaba perdendo o desejo de contribuir com a empresa, quando isso ocorre boa parte do seu tempo de trabalho acaba sendo desperdiçado. Como exemplo temos os profissionais que ficam o dia todo na internet em atividades pessoais como ver e-mail, acessar as redes sociais e conversar com amigos e familiares, sem realizar nenhum tipo de atividade relacionada ao trabalho e muitas vezes utilizando grande parte dos recursos de rede da empresa para assuntos pessoais, até mesmo prejudicando os demais interessados em trabalhar.

Como nem sempre os gestores conseguem acompanhar as atividades da equipe, em muitos casos os colaboradores acabam utilizando o celular ou aparelhos eletrônicos e a internet para atividades pessoais, muitas vezes ficam ouvindo rádios e assistindo vídeos, o que pode atrapalhar os colegas, podendo acarretar em desmotivação e baixa produtividade do restante da equipe. Com base em pesquisas, atualmente grande parte dos colaboradores que mais utilizam a internet e o celular no trabalho são jovens que se enquadram na geração Y (nascidos entre 1980 e 1995) e Z (nascidos a partir de 1995). Isso porque são pessoas que nasceram na geração da internet e que praticamente não conseguem se desligar das redes nem no horário de trabalho.

Situações como essa são problema tanto para o empregado jovem que pode perder oportunidades, por não conseguir se comportar como um profissional comprometido que gera resultados, quanto para o empregador, que acaba investindo tempo e dinheiro em profissionais que não estão acrescentando à empresa.

Então, como proceder em relação ao uso indevido da internet e smartphones no trabalho?

Apesar de a empresa possuir o direito de tomar conhecimento das atividades que acontecem no ambiente de trabalho, existem questões delicadas envolvidas nesse assunto, pelo monitoramento esbarrar no direito constitucional de privacidade e sigilo de correspondência. É necessário que se informe aos colaboradores a existência de ferramentas de monitoramento, estabelecendo-se também claros limites de uso, baseados em direitos e deveres. Portanto, as regras devem sempre estar visíveis para que os colaboradores saibam que estão sendo monitorados no uso da internet e em seu ambiente, caso houver câmeras de filmagem.

Assim, quando descoberto o mau uso da internet ou de equipamentos dentro da empresa, cabe ao gestor o bom senso de proceder de maneira a evitar que a má conduta se repita e para tal não basta punir o responsável, recomenda-se, em primeiro momento, um contato objetivo e pontual com o colaborador para discutir a ocorrência e eventual advertência.

Uma das soluções, caso a sua empresa esteja passando por uma situação como essa, é instalar um serviço de controle de internet eficiente para fazer o controle e você ter então como monitorar e fiscalizar a sua equipe de forma mais precisa, para saber quem realmente está focado em somar na empresa e diferenciar daqueles que estão somente ocupando espaço e consumindo recursos no ambiente corporativo.

A empresa também deve disponibilizar aos seus colaboradores, um documento sobre a política do uso da internet na empresa, para informar e dar ciência aos colaboradores sobre a política de uso da internet no ambiente de trabalho da empresa, para assegurar o uso adequado da Internet e recursos de tecnologia por parte do colaborador.

Estudo da Triad, empresa de consultoria especializada, apontou que entre as mídias sociais a mais acessada nos computadores dos profissionais é o Twitter (92,2%), seguido pelo Facebook (59,4%) e YouTube (35,6%). A mesma empresa de consultoria constatou que 80% dos profissionais gastam até 3 horas da jornada de trabalho com atividades estranhas à função. Em alguns casos além da demissão por justa causa, o funcionário pode ainda ser condenado ao pagamento de indenização, quando a má utilização da internet prejudicar a empresa.

O uso inadequado da internet pode gerar significativo impacto sobre os negócios e a reputação das empresas, com reflexo direto sobre os clientes, resultados financeiros e, ainda poderá trazer problemas jurídicos para as corporações. Cada vez mais as empresas estão informatizadas para competir no mercado e seus usuários descobrem a cada dia, novos meios de seu uso, podendo instalar vírus quando do acesso a algum site desconhecido e comprometer todo o sistema da rede da organização. Como se sabe, o empregador pode ter preocupações legítimas no que diz respeito à possível utilização do correio eletrônico por parte de seus empregados e executivos para divulgar informações confidenciais, ou segredos de comércio ou indústria para os concorrentes.

Da mesma forma, são legítimas as preocupações com mensagens eletrônicas via e-mail ou sistemas de comunicação instantânea, contendo piadas, jogos, fotos, pornografias, e muitos outros, que sobrecarregam a rede e geram desperdício de tempo durante o trabalho.

Se sua empresa possui essa preocupação com o desperdício de tempo da equipe e a má utilização da internet pelos colaboradores, o Lumiun pode ajudar sua empresa a resolver esse problema. Além de proteger a sua rede contra ameaças e sites nocivos, é possível controlar o que cada colaborador acessa na internet e ter relatórios detalhados sobre o uso da rede, tudo de forma simples, prática e acessível. Conheça mais sobre a ferramenta pedindo uma demonstração do sistema e falando com nosso atendimento pelo telefone (11) 4950-6962 ou no e-mail .