Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Segurança da informação em 2018: fatos relevantes e o aumento dos ataques virtuais

O ano de 2018 foi marcado por diversos acontecimentos em relação à segurança da informação e tecnologia, como a determinação do GDPR (Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados) que representa a ascensão para a regulamentação de privacidade da União Europeia e também com o aumento significativo nos registros de ataques cibernéticos como golpes, sequestro de dados, malwares,  vazamento de dados e mineração de criptomoedas.

Aqui no blog já apresentamos dados relevantes sobre o aumento de ataques virtuais em 2018 e a importância de educar os usuários, mas você sabia que além disso, durante o ano de 2018 foram detectados mais de 350 mil vírus por dia pela Kaspersky Lab? Então, os números são assustadores e representam a realidade da internet global.

A Kaspersky Lab afirma que houve um aumento de 43% para o ransomware (de 2,1 em 2017 para 3,1 milhões em 2018) e de 44% para os backdoors usados por cibercriminosos para acesso remoto ao PC (de 2,2 para 3,2 milhões), estes resultados comprovam que malwares, principalmente backdoors e ransomware, continuam sendo um perigo significativo.

O dfndr lab, laboratório de cibersegurança da PSafe, elaborou o 5º Relatório de Segurança Digital no Brasil com um acúmulo de dados comparativos entre o 2º e o 3º trimestre de 2018, gerados através das detecções de ciberataques aos smartphones Android dos mais de 21 milhões de usuários do aplicativo de segurança dfndr security.

  • O Relatório da dfndr lab mostra que houve queda de 31,4% em ciberataques (de 63,8 a 43,8 milhões) por conta da redução do foco em grandes eventos, porém apresenta o aumento de 7% em fake news (de 4,4 a 4,8 milhões) que abordam principalmente assuntos sobre política, saúde ou formas de ganhar dinheiro fácil.
  • Confira o gráfico de detecções de links maliciosos:

    grafico-links-maliciosos-dfndr-lab-2018
    Phishing via mensagens, publicidade suspeita e notícias falsas lideram ranking de links maliciosos. (Fonte: PSafe / dfndr lab)
  • Apesar da sensível queda percebida entre os trimestres (31,4%), não podemos olhar para essa informação de forma simples e genérica. Os ciberataques não estão diminuindo. O que vimos, neste trimestre, foi uma combinação de fatores que englobam a redução do foco em grandes eventos que envolvam questões público-financeiras, como FGTS e PIS/Pasep, e de datas comemorativas de alta relevância para o varejo.Emilio Simoni, diretor do dfndr lab.

Os números seguem sendo preocupantes, e a cada ano que passa os ataques tornam-se cada vez mais diversificados. Cibercriminosos “renovam estratégias” para aprimorar a criptografia, buscando evitar a detecção de ataques. Dessa maneira, sem dúvidas, podemos afirmar que o ano de 2018 foi marcado por uma série de ataques, contabilizando vítimas no mundo inteiro.

Entre e-mails e sites falsos, mensagens no WhatsApp, fake news, ataques para sequestro de dados e até para mineração de criptomoedas, com o objetivo de explorar a capacidade de dispositivos e utilizar o processamento sem a autorização do usuário, preparamos uma lista com alguns dos ataques cibernéticos que ocorreram em 2018, acompanhe o artigo.

Hotéis Marriott

Setembro, 2018.

A partir de um grande ataque ao banco de dados, em média 500 milhões de clientes da rede hoteleira Starwood Hotels and Resorts, subsidiária da Marriott International, tiveram seus dados pessoais como nome, telefone, número de passaporte, endereço, entre outros, acessados por criminosos. O ataque foi detectado em setembro de 2018, mas o acesso não autorizado ao banco de dados já acontecia desde 2014.
O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) instaurou um Inquérito Civil Público para investigar o caso.

Facebook

  1. Março, 2018.
    Cambridge Analytica:
    Com a utilização de um aplicativo de teste de personalidade, usuários permitiram acesso a suas informações, mas acabaram permitindo acesso também às informações de amigos. A empresa usou os dados ilegalmente para propaganda política.
  2. Setembro, 2018.
    Ataque hacker:
    Os criminosos aproveitaram-se de uma vulnerabilidade da opção “Ver como” e tiveram acesso a dados do perfil de 30 milhões de pessoas, após o ataque, em média 90 milhões de pessoas foram redirecionadas para realizar login novamente e informadas do ocorrido.
  3. Dezembro, 2018.
    Fotos publicadas sem autorização:
    A partir de um “bug”, cerca de 6 milhões de usuários que permitiram o acesso à mídia para aplicativos de terceiros tiveram “fotos não publicadas” (como stories e fotos que foram carregadas, mas não publicadas), expostas na rede social. O Facebook notificou os usuários e sugeriu que verifiquem os acessos dos aplicativos.
    Fonte: TechTudo

Banco Inter

  1. Maio, 2018.
    Em maio de 2018, a equipe do site TecMundo recebeu um manifesto composto de 18 páginas, assinado por um hacker chamado “John”. Este documento detalhava de forma técnica como o hacker teve acesso à dados, além disso, os detalhes da extorsão aplicada ao Banco Inter. A condição era: se o banco não pagasse o valor dentro do prazo, os dados seriam enviados para a imprensa e vendidos na internet.
    O banco agiu corretamente, conforme as indicações sobre como agir em casos de invasão ou roubo de dados e não cedeu à extorsão.
    Como não houve pagamento ao hacker, os dados pessoais de milhares de clientes, funcionários e executivos do Banco Inter, um dos maiores bancos totalmente digitais do Brasil, foram colocados em um arquivo criptografado de 40 GB. Os dados consistem em fotos de cheques, documentos, transações, e-mails, informações pessoais, chaves de segurança e senhas de aproximadamente 100 mil pessoas.
    .
    • O hacker informa que trabalhou por cerca de 7 meses na invasão ao Banco Inter e explicou que através de um erro de um funcionário foi possível entrar nos sistemas do banco e copiar os dados.
    • O Banco Inter negou ter ocorrido uma invasão.
  2. Julho, 2018.
    Comissão de Proteção dos Dados Pessoais, com colaboração do TecMundo, instaurou inquérito civil público para investigar caso. No curso da investigação, o MPDFT constatou, com comprovação do Centro de Produção, Análise, Difusão e Segurança da Informação (CI), o comprometimento de:
    .
    • Dados cadastrais de 19.961 correntistas do Banco Inter.
    • Desses, 13.207 contêm dados bancários, como número da conta, senha, endereço, CPF e telefone.
    • Outros 4.840 dados de clientes de outros bancos que fizeram transações com usuários do Inter também foram comprometidos.
    • Também ficou confirmada a exposição dos certificados digitais, já revogados, e da chave privada do banco.
    .
    O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) pediu a condenação do banco ao pagamento de R$ 10 milhões, a título de indenização, em razão de não ter tomado os cuidados necessários para garantir a segurança dos dados pessoais de seus clientes e não clientes. O valor, no caso de condenação, será revertido ao Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD).
  3. Dezembro,2018.
    Foi homologado um acordo entre o Banco Inter e o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), onde o Banco Inter deve pagar R$ 1,5 milhão para reparar os danos morais coletivos de caráter nacional decorrentes do vazamento de dados.
    Fonte: TecMundo

Phishing

Os casos de fraudes realizadas com a utilização de phishing não são novidade e seguem acontecendo via e-mail, WhatsApp e outras redes sociais. É frequente a circulação de promoções falsas, principalmente nas datas comemorativas e foram estes exemplos que trouxemos.

Em relação ao phishing no ano de 2018, a Kaspersky Lab identificou o aumento de 110% de incidentes, levando o Brasil ao lugar no ranking mundial, conforme dados apresentados no início deste artigo.

  1. Durante o ano de 2018, principalmente em períodos próximos à atualizações do catálogo da Netflix.
    E-mail falso da Netflix: O e-mail solicita que o usuário atualize seus dados de pagamento pois a suposta conta estaria suspensa. Com uma construção de e-mail convincente, divulgando filmes e séries que estão em alta ou são novos no catálogo da Netflix, os criminosos convencem muitas pessoas, principalmente por ser um e-mail de conteúdo atual. Dessa maneira, muitas pessoas acabam caindo neste golpe e fornecendo dados sensíveis para criminosos. Cabe alertar que é o mesmo link suspeito em todos os botões do e-mail.
    A Netflix tem um canal oficial disponível para denúncias de phishing, então se você receber qualquer e-mail deste tipo, encaminhe-o para

    phishing-netflix
    Phishing – E-mail falso solicita atualização da forma de pagamento, alegando que o usuário está com a conta suspensa.
  2. Novembro, 2018.
    Brinde de natal da O Boticário: As promoções reais com brindes da O Boticário foram vistas como oportunidade por cibercriminosos. Uma das últimas ocorrências de 2018 foi a falsa promoção via WhatsApp que oferecia diferentes brindes da marca e para “ganhar”, o usuário deveria fornecer o número de CPF e convidar amigos, gerando um grande fluxo de pessoas fornecendo seus dados a criminosos. A O Boticário se pronunciou oficialmente em sua página no Facebook, alertando o público sobre a falsa promoção.

    Phishing-brinde-natal-oboticario-2018
    Phishing –  Novembro,2018 – Falsa promoção da O Boticário oferecia brindes após o cadastro com CPF e indicação de amigos.
  3. Dezembro, 2018.
    Brinde de natal da Coca Cola: Aconteceu via WhatsApp a circulação de uma falsa promoção que oferecia brindes de natal. Para “ganhar o brinde”, o usuário deveria clicar em um link e realizar o cadastro, acontece que o link redirecionava o usuário a um site de Phishing para captação de dados, principalmente números de CPF. A Coca Cola se pronunciou oficialmente informando que a promoção era falsa e reiterando que o site oficial da empresa é: natal.cocacola.com.br

    Phishing-brinde-natal-coca-cola-2018
    Phishing – Dezembro,2018 – Falsa promoção da Coca Cola prometeu brindes de natal e captou o CPF de usuários que se cadastraram.

Fake news

A ocorrência de fake news (notícias falsas) foi tão alta durante o ano de 2018 que a dfndr lab identificou que 11% dos links maliciosos, eram notícias falsas. Representando o aumento de 7% em fake news (de 4,4 a 4,8 milhões) que abordam principalmente assuntos sobre política, saúde ou formas de ganhar dinheiro fácil, entre o 2º e 3º trimestre de 2018.

  1. Julho, 2018.
    Fato ou Fake: A equipe G1 procurou ajudar os internautas a ter um canal que analisa casos de fake news. A seção identifica as mensagens que causam desconfiança e esclarece o que é real e o que é falso. A apuração é feita em conjunto por jornalistas de G1, O Globo, Extra, Época, Valor, CBN, GloboNews e TV Globo. Discursos de políticos também são conferidos. Veja aqui a categoria
  2. Top 5 notícias falsas sobre política (dfndr lab)
    No 5º Relatório de Segurança Digital no Brasil da dfdr lab foi apresentado um ranking de detecção de notícias falsas sobre política. Em primeiro lugar está uma notícia falsa sobre Jean Wyllys, esta foi detectada 625 mil vezes pela empresa de segurança.

    Noticia-falsa detectada-625mil-vezes-entre-o-2-e-3-trimestre-de-2018.Fonte-PSafe-Dfndr-Lab
    Notícia falsa detectada 625mil vezes entre o 2º e 3º trimestre de 2018. (Fonte: PSafe / dfndr lab)

 

Levando em consideração as notícias marcantes para a segurança no uso da internet em 2018, é importante ressaltar que métodos preventivos contra ataques cibernéticos devem estar sempre em primeiro lugar, para todo e qualquer usuário conectado.




Gestores e profissionais de TI devem priorizar a segurança da informação, mas a principal dúvida é: como fazer? Por onde começar?

As ações mais importantes para melhorar a segurança da informação na empresa são baseadas em prevenção. Listamos 5 ações das mais relevantes que devem ser implementadas e periodicamente revisadas para que a empresa tenha um excelente nível básico de atenção à segurança da informação.

  • Backup dos dados: há determinados tipos de incidentes de segurança em que a única opção para recuperar as informações da empresa passa pela restauração de cópias de segurança. É essencial manter uma estratégia de backup, com rotinas atualizadas e verificadas. Deve-se analisar, entre outros aspectos, quais dados serão protegidos, a periodicidade de atualização, o tempo de retenção das cópias e o local de armazenamento das cópias (lembrando que é importante manter cópias em local externo ao ambiente onde ficam os dados na empresa).
  • Antivírus: é importante utilizar um bom software antivírus. Outros mecanismos de proteção da rede são complementares e não substituem o antivírus. Há pacotes gratuitos que oferecem um nível básico de proteção, no entanto, para proteção efetiva é recomendado que as empresas invistam na aquisição de uma boa solução antivírus e anti-malware.
  • Firewall e controle do acesso à internet: proteger a rede com firewall e bloquear links prejudiciais e sites nocivos é uma medida muito relevante para a segurança da informação. É importante que a solução tenha uma interface de gerenciamento funcional e fácil de usar, pois a facilidade na visualização de relatórios e a correta configuração da ferramenta impactam diretamente na eficiência da proteção. Uma solução para gerenciamento do acesso à internet como o Lumiun é um excelente recurso para aumentar a segurança da informação na empresa, além de promover a conscientização no uso da internet e auxiliar na produtividade dos colaboradores.
  • Atualizações de software: todos os programas utilizados nos computadores e equipamentos devem estar atualizados com versões recentes. A prática de aplicar atualizações rotineiramente, e sempre que são disponibilizadas, é importante para proteção contra ataques que se aproveitam de novas vulnerabilidades que são descobertas, publicadas e exploradas. O sistema operacional e os navegadores de internet devem ter atenção extra e mantê-los atualizados auxilia bastante na segurança.
  • Orientar colaboradores sobre boas práticas de segurança da informação: atualmente a maioria dos ataques passa por alguma ação indevida realizada por um colaborador da empresa. Falhas como clicar em um link de um email que contém uma promoção totalmente incrível, sem o devido cuidado e atenção em verificar o link que será aberto, são exemplos de como o descuido pode ser uma vulnerabilidade e uma porta de entrada de problemas de segurança. Procure orientar os colaboradores sobre a importância do cuidado com a segurança da informação na empresa.

Quer mais dicas sobre segurança na internet para pequenas e médias empresas? Veja 11 dicas de segurança na internet para pequenas e médias empresas